Beleza em questão: os perigos das tinturas de cabelo e da toxicidade de produtos capilares

29/06/2023

As tinturas de cabelo estão conosco há vários anos. Eles se tornaram quase um item básico na coleção de cosméticos de todos. Mas, recentemente, tem havido uma preocupação crescente em relação aos produtos químicos usados ​​nas tinturas de cabelo e seus efeitos nos seres humanos. A preocupação não se limita apenas aos químicos; agora as pessoas comuns também estão preocupadas com os efeitos nocivos das tinturas de cabelo e outros produtos para o cabelo. Curiosamente, estudos recentes revelaram que certos produtos químicos usados ​​em tinturas e produtos capilares podem representar um perigo significativo para a saúde humana. Vários países começaram a tomar medidas para reduzir o uso de produtos químicos perigosos nesses produtos. Neste artigo, discutiremos a possível toxicidade dos produtos capilares.

Se alguém usa tinturas de cabelo como meio de auto-expressão ou para melhorar a aparência, é importante entender que essas tonalidades têm um custo. Entre todas as substâncias químicas usadas em produtos capilares, a parafenilenodiamina, também chamada de PPD, é um ingrediente comum e tem sido associada a várias reações alérgicas. A reação pode variar de leve a grave irritação da pele. Houve casos em que o PPD até causou choque anafilático, uma condição com risco de vida. Mesmo alguns dos corantes capilares que usam aminas aromáticas, como 4-ABP (4-aminobifenil), foram considerados cancerígenos para humanos. Outros estudos descobriram que a exposição prolongada a essas substâncias nocivas também pode aumentar o risco de câncer de bexiga. Simplesmente não termina aqui; os cientistas descobriram ainda uma conexão entre o uso de tinturas de cabelo e um risco elevado de outros tipos de câncer.

Vários estudos revelaram que certos produtos químicos encontrados em tinturas e produtos capilares podem representar perigos significativos para a nossa saúde.

Embora a pesquisa sobre esse tópico ainda esteja em andamento, essas descobertas levantam preocupações legítimas sobre os efeitos a longo prazo do uso de tintura de cabelo. A preocupação não é apenas com tinturas de cabelo, mas também com outros produtos capilares, como xampus, condicionadores e produtos para pentear. Muitos desses produtos contêm sulfatos, como lauril sulfato de sódio (SLS) e lauril sulfato de sódio (SLES), que são conhecidos por causar irritação e ressecamento da pele. Além disso, alguns produtos capilares também contêm conservantes liberadores de formaldeído, como DMDM, hidantoína e quaternium-15, que podem causar reações alérgicas e são carcinógenos em potencial.

Países em todo o mundo perceberam os riscos potenciais associados a esses produtos e implementaram várias regras para reduzi-los. Em particular, os Estados Unidos tomaram medidas para regulamentar e proibir certos ingredientes nocivos usados ​​em tinturas de cabelo e outros produtos. Um desenvolvimento notável é a proibição de acetato de chumbo em tinturas de cabelo. Em 2018, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA emitiu uma regra final proibindo o uso de acetato de chumbo em produtos para coloração de cabelo devido a preocupações sobre sua potencial exposição ao chumbo e riscos associados à saúde. Essa proibição garante que os consumidores estejam protegidos contra uma substância tóxica conhecida. Observando as medidas tomadas pelo governo, empresas como A Unilever emitiu um recall voluntário nos EUA de xampus secos selecionados devido à presença potencial de benzeno. É promissor ver organizações levando a sério a saúde e a segurança pública.

O formaldeído é um carcinógeno humano conhecido, e seu uso em tratamentos populares, como o Brazilian Blowout

Além disso, os EUA também restringiram o uso de formaldeído em produtos para alisar o cabelo. O formaldeído é um carcinógeno humano conhecido, e seu uso em tratamentos populares, como o Brazilian Blowout, levantou sérios problemas de saúde. A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) estabeleceu limites para a exposição ao formaldeído em salões de beleza, e alguns estados deram um passo adiante ao implementar proibições definitivas desses tratamentos.

Progredindo ainda mais na redução do uso de produtos químicos nocivos, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) está trabalhando ativamente no monitoramento e regulamentação do uso de produtos químicos mais seguros para produtos cosméticos. O governo colocou uma ênfase maior no exame minucioso de produtos capilares para identificar ingredientes potencialmente nocivos. Essa ênfase do governo incentivou os fabricantes a reformular seus produtos para atender aos padrões de segurança.

Embora seja louvável ver o governo tão vigilante quanto ao uso de produtos químicos nocivos em produtos cosméticos, é igualmente importante que os consumidores se informem sobre os ingredientes dos produtos cosméticos que usam. Ler rótulos e pesquisar ingredientes é uma boa prática a ser seguida como indivíduo, o que ajuda na tomada de decisões informadas. Como alternativa, também é possível optar por alternativas mais seguras, como produtos e tinturas de cabelo naturais ou orgânicos, sem se preocupar com os efeitos colaterais.

Em poucas palavras, os perigos das tinturas e produtos capilares não podem ser negligenciados. Os pesquisadores já provaram que os produtos químicos usados ​​nesses produtos causam reações alérgicas, irritações na pele e, em alguns casos graves, problemas graves de saúde, incluindo câncer. No entanto, embora países como os Estados Unidos tenham tomado medidas significativas para lidar com essas preocupações, nós, como consumidores, também devemos estar atentos às nossas escolhas.

Chemwatch está aqui para ajudar.

Muitos produtos químicos não são seguros para serem inalados, consumidos ou aplicados na pele. Para evitar consumo acidental, manuseio incorreto e identificação incorreta, os produtos químicos devem ser rotulados, rastreados e armazenados com precisão.

A Chemwatch A equipe é informada por mais de 30 anos de experiência em produtos químicos e está bem equipada para ajudá-lo com conformidade regulatória, criação de SDS, avaliação de risco químico, gerenciamento de inventário e muito mais.  Contacte-nos hoje para aprender mais!

Fontes:

Inquérito Rápido