O concreto tem um problema de carbono.

20/07/2022

Usamos mais concreto hoje do que aço, madeira, plástico e alumínio combinados. Como o material feito pelo homem mais popular na Terra, é a segunda substância mais consumida depois da água - no entanto, os impactos ambientais do concreto são muitas vezes ignorados. Continue lendo para entender por que as emissões de concreto são tão problemáticas e o que os cientistas estão fazendo para mitigar isso. 

O que é concreto?

O concreto tem sido amplamente utilizado como material de construção há séculos, desde o Coliseu em Roma, usando areia vulcânica como adesivo, até casas residenciais e arranha-céus gigantes que usam cimento Portland como componente-chave do concreto moderno.

O cimento Portland, o adesivo mais comum usado em concreto, argamassa e argamassa, foi inventado em 1824.
O cimento Portland, o adesivo mais comum usado em concreto, argamassa e argamassa, foi inventado em 1824.

O concreto não é tanto um material específico, mas uma classe de materiais. É a combinação de areia, cascalho ou outro material de enchimento com um adesivo – geralmente cimento ou outro agente ligante. Isso pode ser reforçado com vigas de aço ou malha para fornecer resistência à tração e flexibilidade, resultando em uma estrutura robusta e durável.

Por que é tão popular?

O concreto é o material de construção mais usado no mundo, e não é difícil entender o porquê. O concreto é durável, de baixa manutenção e resistente ao fogo e à água. Ele pode proteger as pessoas do vento e da chuva e pode resistir a condições climáticas ainda mais extremas – que podemos ver aumentando drasticamente à medida que o clima continua a mudar. 

Construir edifícios de concreto não é tão barato quanto madeira ou aço, no entanto, a força e a durabilidade do concreto permitem que essa variação se iguale ao longo do tempo. O concreto também tem a flexibilidade de ser derramado em placas ou moldes como um líquido, reforçado com aço e depois curado para se tornar um material sólido como rocha. 

A pegada de carbono do concreto

A fabricação de concreto é responsável por cerca de 8% do CO global2 emissões—uma diferença gritante para os 2.8% da indústria da aviação—e seu impacto ambiental vai muito além.

Cerca de 600 quilos de dióxido de carbono são liberados para cada tonelada de cimento produzida.
Cerca de 600 quilos de dióxido de carbono são liberados para cada tonelada de cimento produzida.

Essa pegada de emissão vem principalmente da produção de cimento Portland, o principal adesivo do concreto. O cimento é feito de calcário extraído (carbonato de cálcio) aquecido a quase 1500 graus Celsius, que produz clínquer (óxido de cálcio, uma forma de cal) e CO2. Este clínquer é moído e misturado com água e gesso para criar cimento. 

O impacto ambiental do concreto pode ser ampliado ainda mais do que simplesmente CO2 emissões. Um desses problemas é o efeito ilha de calor. Este é o fenômeno em que os espaços urbanos são significativamente mais quentes do que as áreas circundantes devido ao concreto e ao asfalto terem capacidade de calor muito maior e menor refletividade do que a vegetação. Isso agravou os efeitos das mudanças climáticas nas cidades.

Além disso, o conceito de “icebergs” de concreto mostra como o concreto está entrincheirado em nossa paisagem urbana e suburbana. Construções duradouras de concreto mudaram a forma como interagimos com a natureza. As barragens, que durarão décadas a séculos, são erguidas para controlar rios e lagos e podem impedir que os sistemas ecológicos prosperem. Infraestrutura urbana, como shopping centers, arranha-céus e estacionamentos de vários níveis, produzem enormes quantidades de dióxido de carbono no processo de construção e armazenam carbono de maneira imutável, difícil de desconstruir – e ainda mais difícil de descartar efetivamente.

Algumas soluções concretas

Mudanças podem ser feitas tanto na forma como o concreto é produzido quanto na forma como interagimos com ele na construção dos espaços urbanos. Como ponto de partida, o uso das tecnologias mais recentes pode otimizar o processo de fabricação para minimizar o desperdício de energia e reagentes. Ser crítico e específico sobre a quantidade de concreto necessária em um projeto e usar menos quando possível também é muito eficaz. No entanto, mudar processos de décadas para alternativas mais sustentáveis ​​também pode ser útil onde o concreto ainda é a melhor opção.

Alguns impactos ambientais do concreto podem ser mitigados simplesmente usando menos, em favor de materiais que produzem menos emissões, são mais facilmente recicláveis ​​e podem reduzir o efeito de 'ilha de calor' urbana.
Alguns impactos ambientais do concreto podem ser mitigados simplesmente usando menos, em favor de materiais que produzem menos emissões, são mais facilmente recicláveis ​​e podem reduzir o efeito de 'ilha de calor' urbana.

Pesquisadores da Universidade do Colorado podem ter encontrado uma maneira de neutralizar a produção de carbono da produção de concreto com calcário de origem biológica. Algumas espécies de microalgas podem criar carbonato de cálcio como produto da fotossíntese, que absorve dióxido de carbono no processo. Isso pode então ser moído como o calcário seria e aquecido para fazer clínquer para cimento. No entanto, isso pode ser ainda mais eficaz se a própria produção de clínquer reduzir seu CO2 resultado. Combustíveis alternativos, como hidrogênio ou biocombustíveis, podem reduzir o impacto direto da queima de combustíveis fósseis. 

Além disso, engenheiros de Cambridge desenvolveram um método que reaproveita concreto velho que, de outra forma, iria para o aterro. Os engenheiros descobriram que o cimento usado é quimicamente muito semelhante ao fluxo de cal usado nas usinas de reciclagem de aço. O processo utiliza cimento velho no lugar do fluxo de cal que, após a reciclagem do aço, forma uma escória quase idêntica ao clínquer. Isso pode então ser usado para fazer cimento novo repetidamente. O agregado também pode ser reutilizado a partir de concreto antigo, permitindo significativamente menos desperdício de rochas e areia, e menor impacto ambiental se o processo de reciclagem for alimentado por energia renovável.

Chemwatch está aqui para ajudar

Preocupado com seus processos químicos? Estamos aqui para ajudar. No Chemwatch temos uma gama de especialistas abrangendo todos gestão química campos, de armazenamento de produtos químicos para avaliação de risco para mapeamento de calor, eLearning e muito mais. Contacte-nos hoje para saber mais em vendas @chemwatch.net

Fontes:

Inquérito Rápido