Qual é o problema com o lixo plástico?

25/05/2022

O volume de plásticos em nossos oceanos – e em todo o ambiente natural mais amplo – é imenso e aumenta a cada dia. Com a conscientização se espalhando rapidamente e os perigos e riscos potenciais sendo discutidos mais abertamente no fórum público, a pergunta de ouro permanece: qual é a melhor maneira de conter essa crise ambiental explosiva? E como subtema, como a reciclagem de plástico realmente se sustenta?

quanto plástico?!

Nós, como planeta, produzimos cerca de 300 milhões de toneladas de plástico anualmente, e a produção é responsável por quase 10% do uso mundial de petróleo bruto. O Plastic Disclosure Project da ONU estima que 33% de todo o plástico fabricado é usado apenas uma vez. 

Embora o destino da maioria dos plásticos esteja em aterros sanitários e incineradores, o lixo não coletado representa 22% de todos os resíduos plásticos – 8 milhões de toneladas dos quais entram em nossos oceanos anualmente. Para um contexto visual, fotografia um caminhão de lixo do tamanho da cidade de Nova York depositando sua carga no oceano a cada minuto de cada dia durante um ano inteiro. 

O que podemos ver da superfície do oceano representa apenas 5% de todo o plástico no oceano.  

O que pode ser feito?

Estima-se que os produtos plásticos durem até 500 anos sem se decompor e, de acordo com a OCDE, apenas 9% do plástico é reciclado anualmente. Esta é uma quantidade pequena em comparação com outros materiais recicláveis, como vidro (25%), metais (35%) e papel (65%). Cerca de metade de todo o plástico acaba em aterros sanitários, mas sem dúvida existem alternativas melhores.

Incineração

A queima de resíduos plásticos e o aproveitamento da energia resultante podem parecer uma alternativa viável ao despejo. Reduz os resíduos que vão para aterros sanitários e oceanos, e o calor gerado pode produzir vapor para consumo doméstico de energia, como alternativa aos combustíveis fósseis brutos. No entanto, cerca de 10 a 15% da massa total de plástico queimado torna-se cinza tóxica, liberada no ar que respiramos. 

A incineração de plásticos pode liberar produtos químicos tóxicos como dioxinas, furanos, mercúrio e bifenilos policlorados na atmosfera.
A incineração de plásticos pode liberar produtos químicos tóxicos como dioxinas, furanos, mercúrio e bifenilos policlorados na atmosfera.

Esses produtos em cinzas plásticas podem prejudicar o meio ambiente e a saúde humana, além de contribuir para os fatores das mudanças climáticas.

Plásticos biodegradáveis

Todos nós já ouvimos o conselho de 'reduzir, reutilizar, reciclar' nossos plásticos, mas isso coloca o ônus sobre os indivíduos, e não sobre as indústrias. Com a falta de infraestrutura de reciclagem em muitas regiões, a produção em massa de plásticos biodegradáveis ​​ou compostáveis ​​parece a melhor alternativa. No entanto, os produtos biodegradáveis ​​ainda não são bem regulamentados, e o termo 'biodegradável' não está muito bem definido. 

Os plásticos biodegradáveis ​​podem ser feitos de materiais biológicos renováveis ​​e de combustíveis fósseis. Sob condições apropriadas, eles podem ser decompostos por meio de enzimas e micróbios para transformar grandes polímeros em moléculas muito menores, como metano, dióxido de carbono e água. Apenas cerca de um por cento do total de plásticos fabricados são biodegradáveis ​​ou de base biológica.

Um equívoco é que os plásticos biodegradáveis ​​são os mesmos que os bioplásticos. Isso é falso. Feitos de materiais à base de plantas em vez de petróleo, os bioplásticos são vistos como uma alternativa renovável ao plástico tradicional. Um dos maiores concorrentes é o ácido polilático, ou PLA, que pode ser feito de milho ou cana-de-açúcar. No entanto, o PLA ainda pode se acumular em aterros sanitários se não for descartado adequadamente. Ele pode se decompor em três meses sob condições de compostagem industrial, mas em um aterro tradicional ainda pode levar de 100 a 1000 anos, semelhante aos plásticos tradicionais.

Reciclagem mecânica

A reciclagem mecânica tradicional parece ser muito simples, mas, na realidade, é cara e demorada para pouco ganho geral. Os produtos plásticos podem ser derretidos para serem reconstituídos, mas devem ser cuidadosamente limpos e classificados por tipo de polímero previamente.

Existem sete categorias principais de resina plástica: PET, HDPE, PVC, LDPE, polipropileno, poliestireno e outros.
Existem sete categorias principais de resina plástica: PET, HDPE, PVC, LDPE, polipropileno, poliestireno e outros.

Além das questões logísticas, outro problema da reciclagem mecânica é que o produto final raramente é tão bom quanto seus constituintes. Cada ciclo de derretimento e remoldagem pode causar imperfeições e fragilidades no produto final, permitindo apenas alguns usos antes de finalmente ter que ser descartado.

Reciclagem Química

Enquanto a queima de resíduos plásticos é tecnicamente uma espécie de conversão química, novos desenvolvimentos encontraram maneiras de recuperar mais do que apenas energia térmica. 

A reciclagem química catalítica e pirolítica pode quebrar as longas cadeias de polímeros de plásticos em monômeros (unidades únicas das quais os polímeros são formados) e recuperá-los em novos polímeros ou outros produtos químicos inteiramente. Isso é diferente de derreter plástico em pellets e remodelá-los em produtos utilizáveis. A reforma de polímeros em nível molecular permite que as impurezas sejam ignoradas e produtos de alta qualidade resultem do processo repetidamente. 

Os custos e praticidades da reciclagem química do plástico em escala industrial ainda não são totalmente conhecidos, mas talvez o problema do plástico esteja a caminho de ser resolvido definitivamente. Esperemos!

Chemwatch está aqui para ajudar

Preocupado com o destino de seus produtos químicos? Estamos aqui para ajudar. No Chemwatch temos uma gama de especialistas em todos os campos de gerenciamento de produtos químicos, desde armazenamento de produtos químicos até avaliação de riscos, mapeamento de calor, eLearning e muito mais. Entre em contato conosco hoje para saber mais em vendas @chemwatch.net

Fontes:

Inquérito Rápido